PIX é a revolução monetária que as criptomoedas queriam ser.

PIX é a revolução monetária das criptomoedas?

PIX é o novo sistema de transferências bancarias criado e gerenciado pelo banco central, esse novo sistema entrara em vigor a partir do dia 16 de novembro de 2020.

Nesse dia 6 de outubro, instituições financeiras começaram a cadastrar a chave PIX, começaram também várias propagandas e anúncios para que os usuários cadastrem suas chaves.

Com a criação desse sistema, os bancos vão perder uma parte da receita que tinham com as transferências em DOC e Ted, mas não quer perder os clientes, então estão investindo pesado em divulgação para que os clientes criem suas chaves e manter eles em suas instituições.

Mas esse PIX é tudo isso mesmo?

A resposta simples é sim. Se tudo ocorrer como planejado, esse novo sistema trará a tão sonhada “digitalização do dinheiro”.

Será possível movimentar seu dinheiro 24 horas por dia, 7 dias por semana, incluindo feriados, e o melhor de tudo, sem taxas de movimentação.

Uma coisa que foi necessária para que isso acontecesse é a obrigatoriedade das instituições bancarias e aplicativos financeiros com mais de 500 mil contas de oferecer esse tipo de serviço.

PIX x Criptomoedas.

Mas o PIX vai ser concorrente as criptomoedas?

Bem, depende do que você procura em uma criptomoeda, o PIX tem quase todas as vantagens das criptomoedas, como transações instantâneas, 100% online, sem tempo de parada e sem pagar por isso.

Mas o que os propagadores das criptomoedas dizem, é que não tem a privacidade das criptomoedas.

As criptomoedas surgiram, não só para ser uma forma de pagamento direta, mas para manter a privacidade.

Com o PIX, temos a chave PIX, que seria como a carteira nas criptomoedas, onde basta você dar seu endereço PIX que a outra pessoa pode de enviar o dinheiro.

Esse endereço PIX pode ser seu CPF, seu número de celular, seu e-mail ou até uma ordem aleatória de caracteres, você pode ter até 5 chaves diferentes, sendo assim, você pode ter uma conta em um banco grande com seu CPF, outra conta em outro banco com seu e-mail, e assim por diante.

Isso vai facilitar quando você for receber algum pagamento, você pode simplesmente passar seu e-mail ou numero do celular, sem precisar passar nome, banco, numero da conta e etc.

Mas todas as transações terão que passar pelo banco central, isso que preocupa alguns usuários das criptomoedas.

O banco central diz que é uma forma que vai facilitar a encontrar fraudes, dificultar a lavagem de dinheiro e evasão de divisas e evitar muitos golpes comuns hoje em dia.

As leis já obrigam a quem utiliza criptomoedas a declarar suas movimentações, inclusive todas as corretoras de criptomoedas que oferecem esse serviço para brasileiros têm que mandar relatórios de quem tem conta e as movimentações realizadas em suas plataformas.

Muitos utilizam as criptomoedas como investimento ou reserva de valor, para essas pessoas, o PIX não fara diferença.

Mas muitos querem simplesmente transferir, pagar e receber de maneira rápida, sem taxas e em qualquer horário, para esses, isso será um grande diferencial, ainda mais que todos os grandes bancos e instituições terão que aceitar essa forma de pagamento, não será como as criptomoedas, que em estudo de junho de 2020, 53% da população brasileira poderia chegar a utilizar formas de pagamento com criptomoedas.

Já com o PIX, você precisa apenas de alguma conta em qualquer banco, ou até mesmo em alguma dessas fintechs, que você já poderá utilizar esse serviço.

Será mais fácil cair em golpes?

Infelizmente, ainda existe o risco de golpes, mas não devido ao PIX em si. O problema é que muitos golpistas podem agir de má fé enviando links falsos para realização de cadastro, em que pode haver roubo de informações pessoais e, até mesmo, dinheiro.

Será que vai dar certo?

Mais de 900 instituições financeiras já estão cadastradas no sistema e mais de 50 países ao redor do mundo já operam sistemas similares.

O exemplo mais citado e o da China, onde tem o wechat, que é um aplicativo estilo whatsapp ou telegram que tem pagamentos instantâneos que é muito utilizado.

O Brasil vai ter uma criptomoeda “nacional”?

Sim, o Bacen, inclusive, já afirmou que o Brasil pode ter um Real Digital já em 2022.

Sobre Lucas Carvalho 13 Artigos
Historiador como formação, pesquisador por paixão, anos dando aulas de História, Inglês e Tecnologia, agora minerando dados pela internet.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*